Sudoeste

Sudoeste goiano tem quatro candidatos ao Parlamento Juvenil do Mercosul

POR Jornal Somos | 28/11/2018
Sudoeste goiano tem quatro candidatos ao Parlamento Juvenil do Mercosul

Jornal Somos

A

As votações para escolha dos representantes estaduais do Parlamento Juvenil do Mercosul iniciaram na segunda feira (26) e vão até sexta feira (30). Em Goiás, são 4 candidatos, sendo três deles do Sudoeste goiano.  Letícia Martins dos Santos, de Rio Verde, Lauany Oliveira Costa de Goiânia, Daniel Sabbadin, de Jataí e Hugo Mendes de Carvalho de Ouroana disputam tiveram seus projetos selecionados e disputam a eleição para representar o estado no Parlamento.

 

O Parlamento Juvenil do MERCOSUL (PJM) é uma iniciativa do Setor Educacional do MERCOSUL (SEM) que proporciona aos jovens estudantes de nível médio público dos países membros e associados do bloco um espaço de encontro e diálogo que incentive o protagonismo juvenil para geração de propostas sobre temáticas de interesse comum.

 

Em visita a Rio Verde, Hugo, um dos candidatos, concedeu uma entrevista ao Jornal Somos e falou mais sobre a oportunidade de estar na final da disputa.

 

De onde veio essa vontade de se candidatar?

Bom, a vontade veio da inspiração que eu tive do antigo representante de Goiás, que era o Gleison. Ele foi à minha escola, falou um pouco com os alunos sobre o projeto, sobre o que era o parlamento e eu achei muito interessante, porque lutava por uma causa muito justa. Eu gostei e aderi a essa ideia. Ele contou que haveria eleições esse ano novamente, eu me inscrevi para participar e passei.

 

Depois de selecionado seu projeto vai para a votação. Como é esse processo?

Através do processo de seleção os alunos do ensino médio, 1º e 2º ano apenas, elaboram projetos que contemplem as necessidades deles. Esses projetos têm que ser mandados por e-mail e aí são avaliados os objetivos dos projetos e como serão executados. Em relação ao projeto eles analisam os meios e publicam os resultados. Eu fiz meu projeto, mandei, eles analisaram e selecionaram para a eleição.

 

Temos um representante de Jataí, um de Goiânia, um de Rio Verde. Para você, como foi essa conquista de ser selecionado sendo do interior e de uma escola pública?

Não vejo só como uma conquista minha, mas de toda a sociedade de Ouroana e do Estado. Porque muitas vezes eu fui desqualificado e desmerecido por pessoas de “nível mais alto”. Não podemos falar sobre nível, pois em minha opinião não existe diferença entre um aluno de escola particular e um aluno de escola pública. A diferença está na escola, na infraestrutura. É uma conquista para Ouroana, porque ninguém acreditava que alguém dali seria classificado. É uma cidade desacreditada por ser interior. Quando fui aprovado também foi uma surpresa.

 

Como foi pra criar o projeto de vocês?

Pensamos em um tema atual e chegamos à conclusão de que seria sobre gênero, etnia e diferença social, porque ainda existe muito preconceito quanto a esses assuntos. Então, abrimos os olhos para a região onde vivemos, porque o estado de Goiás é composto por uma pluralidade muito grande, mas essa diversidade não é bem vista e nem bem entendida. Algumas pessoas não têm conhecimento sobre esse tema e querem julgar sem saber. Então o projeto vem para esclarecer e tentar acabar com as desigualdades.

 

Você tem 16 anos. Quais são suas pretensões políticas?

Tenho muito interesse na parte política, leio muita filosofia e me apaixonei pela política lendo Aristóteles. Eu acredito que a política deve ser reformulada e explorada todos os dias, então pretendo ficar na política após o projeto.

 E a faculdade?

Ciências Sociais.

 

Como você acha que os jovens podem ser mais participativos na política?

Buscando e acreditando em si. Tentar melhorar e se renovar, porque os jovens estão ganhando mais espaço e para que isso continue precisamos nos inovar. Então começa na vontade.

 

De que maneira pretende colocar o projeto em prática?

Debates, cartazes e definições. Existe a diversidade e o preconceito, muitos jovens conhecem, mas não reconhecem. Por exemplo, há o gênero biológico e o gênero social. O biológico é como nascemos e o social é construído pela vivência em sociedade. Então o projeto vai ter definições e buscar as opiniões dos jovens. Também vamos compartilhar as experiências e refletir sobre elas. Além das redes sociais, também será executado nas escolas que quiserem do país todo.

 

Qual foi o seu critério para abordar esses temas?

A atualidade é importante, mas a intensidade foi mais. Desde o começo do Brasil o país é racista. A miscigenação veio do estupro. É um tema atual e é necessário, porque na maioria dos casos não estudamos as influências culturais e sociais do processo de escravidão. Então mais pela necessidade. Gostaria que os jovens buscassem mais sobre estes temas, porque é assim que podemos ajudar uns aos outros.

 

A votação acontece no site do PJMaté o dia 30, e nele você pode conferir também o projeto dos candidatos. 

Jornal Somos

Jornal Somos

Jornal online com a missão de produzir jornalismo sério, com credibilidade e informação atualizada, da cidade de Rio Verde e região.

COMPARTILHE:

INSCREVA-SE

Cadastre seu e-mail e fique por dentro de todas as notícias do Brasil e do mundo com publicações realizadas pelos melhores jornalistas do Brasil. A plataforma inteligente do Jornal SOMOS oferece o melhor do conteúdo jornalístico exclusivo para você.

ENVIAR
Obrigado por se inscrever em nosso site. Aguarde novidades!
Jornal Somos
ACOMPANHE AS NOSSAS REDES