Goiás

Polícia Militar pede monitoramento de assentamentos rurais goianos

POR Ana Carolina Morais | 25/11/2021
Polícia Militar pede monitoramento de assentamentos rurais goianos

Divulgação / MST

A

A Polícia Militar de Goiás (PM-GO), por meio de despacho proferido nesse mês e divulgado nesta quarta-feira (24) pelo portal Mais Goiás, pediu que os assentamentos rurais goianos fossem monitorados. Entre os requerimentos realizados estava que fosse feita a identificação de envolvimentos políticos. Até o momento, a PM ainda não explicou qual o objetivo desta ação.

 

 

A medida está sendo vista com desconfiança por líderes de movimentos sociais, que temem que isso se transforme em uma ferramenta de opressão. “Na medida que o Estado começa a fazer mapeamento sem explicar os reais motivos, há o receio. Existe a perspectiva de talvez tentar enquadrar movimentos como organizações criminosas, isso já aconteceu em Goiás nos últimos cinco anos”, justificou o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Goiás, Gilvan Rodrigues, ao O Popular.

 

 

A assinatura do despacho foi efetuada pela 2ª Seção do Estado Maior Estratégico da PM, com endereçamento ao 4º Comando Regional (4º CRPM), que é responsável pela região da cidade de Goiás. O documento solicita um relatório com detalhes referentes aos assentamentos.

 

 

Entre os pedidos, além da identificação de envolvimento político, está “localizar e mapear, por meio de coordenadas geográficas, os assentamentos/acampamentos inseridos na área”, “identificar e qualificar as lideranças locais desses movimentos, bem como levantar o quantitativo de pessoas em casa assentamento/acampamento (quantidade de crianças, mulheres e faixa etária dos integrantes desses movimentos” e “pormenorizar o histórico de invasões, conflitos ou qualquer assunto de interesse da segurança pública”.

 

 

 

 

De acordo com Gilvan, “está explícito que o mapeamento busca grupos que lutem por terra, luta essa que é um direito constitucional”, e por isso, o documento foi denunciado pelo grupo à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), com expectativa de se realizar uma denúncia também à Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal e à Assembleia Legislativa e o Tribunal de Justiça.

 

 

O coordenador do MST de Goiás ainda afirmou que foi notada a presença de agentes representantes do Estado nos municípios de Goiás, Aruanã, Palmeiras e Santa Helena. O Governo de Goiás não se manifestou sobre a suposta presença de agentes em assentamentos, nem sobre o despacho proferido pela PM.

 

 

(Com informações do Mais Goiás e do O Popular)  

Jornal Somos

Jornal Somos

Jornal online com a missão de produzir jornalismo sério, com credibilidade e informação atualizada, da cidade de Rio Verde e região.

COMPARTILHE:

INSCREVA-SE

Cadastre seu e-mail e fique por dentro de todas as notícias do Brasil e do mundo com publicações realizadas pelos melhores jornalistas do Brasil. A plataforma inteligente do Jornal SOMOS oferece o melhor do conteúdo jornalístico exclusivo para você.

ENVIAR
Obrigado por se inscrever em nosso site. Aguarde novidades!
Jornal Somos
ACOMPANHE AS NOSSAS REDES